Trump diz que militares russos devem deixar a Venezuela

Presidente dos EUA, Donald Trump, encontrou Fabiana Rosales, mulher do autodeclarado presidente interino da Venezuela, Juan Guaidó Presidente dos EUA, Donald Trump, encontrou Fabiana Rosales, mulher do autodeclarado presidente interino da Venezuela, Juan Guaidó Foto: Saul Loeb / AFP

O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, disse na quarta-feira (27) que os soldados russos precisam deixar a Venezuela dias depois do anúncio da chegada de um contingente militar russo a Caracas.

"A Rússia tem que sair", disse Trump a repórteres durante uma reunião com Fabiana Rosales, mulher do líder da oposição e autodeclarado presidente interino da Venezuela, Juan Guaidó.

Fabiana Rosales afirmou que o país enfrenta uma grave crise econômica e política. Ela afirmou que o chefe de gabinete de seu marido e familiares foram detidos, em uma tentativa de desestabilizar Guaidó.

Quando perguntado sobre o que ele faria para as forças russas saírem, Trump disse: "Vamos ver. Todas as opções estão abertas".

O vice-presidente dos Estados Unidos, Mike Pence, que também estava no encontro, afirmou que eles enxergam a chegada dos aviões como uma "provocação indesejável". Ele fez um apelo para que a Rússia "cesse todo o apoio ao regime de Maduro e se mantenha ao lado de Juan Guaidó".

Aviões da Força Aérea

Dois aviões da Força Aérea da Rússia pousaram no sábado (23) no aeroporto de Maiquetia – o maior da Venezuela. Eles transportavam cerca de 100 militares russos, segundo a imprensa local. O regime de Nicolás Maduro confirmou que autorizou a chegada dos aviões, mas não deu mais detalhes.

De acordo com uma fonte ouvida pela agência Reuters, o contingente militar da Rússia que chegou à Venezuela é composto por forças especiais, incluindo "equipes de segurança". A pessoa ouvida disse que os EUA estão convictos de que o contingente russo inclui especialistas em cibersegurança e que parte da missão deles é ajudar o grupo leal a Maduro com ações de vigilância, bem como com a proteção da infraestrutura cibernética.

O Ministério das Relações Exteriores da Rússia disse nesta terça-feira que a presença de "especialistas russos" na Venezuela é guiada por um acordo de cooperação técnico-militar entre os dois países, sem dar mais detalhes.

Rússia e Venezuela

A Rússia é um dos países que ainda reconhecem Nicolás Maduro como presidente legítimo da Venezuela. Os EUA, por outro lado, foram os primeiros a reconhecer o chefe da Assembleia Nacional e líder oposicionista Juan Guaidó como presidente interino.

Fonte: G1
Ler 19 vezes
Entre para postar comentários
Go to top
Template by JoomlaShine